“Roma” e “A Favorita” lideram nomeações para os Óscares

O filme "Roma", do realizador mexicano Alfonso Cuarón, e "A Favorita", do grego Yorgos Lanthimos, lideram as nomeações, em dez categorias, dos prémios de cinema Óscares

FONTE:

Euronews

AUTOR:

oscares

O filme “Roma”, do realizador mexicano Alfonso Cuarón, e “A Favorita”, do grego Yorgos Lanthimos, lideram as nomeações, em dez categorias, dos prémios de cinema Óscares, hoje anunciados pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos.
Quatro anos depois de ter ganhado o prémio de melhor realizador com “Gravidade”, Alfonso Cuarón volta a estar nomeado para melhor filme e melhor realização com “Roma”. É a primeira vez que uma produção da plataforma Netflix está nomeada para melhor filme.

“Roma” está ainda indicada em simultâneo para melhor filme estrangeiro, fotografia (de Cuarón) e elenco feminino, com as atrizes Marina de Tavira e Yalitza Aparicio.

“A favorita”, do grego Yorgos Lanthimos, segue empatada em dez categorias também, nomeadamente melhor filme, realização e elenco feminino, com Olivia Colman, Emma Stone e Rachel Weisz.

Para o Óscar de melhor filme foram selecionados “Roma”, “A Favorita”, “Black Panther”, “BlacKkKlansman – O inflitrado”, “Bohemian Rhapsody”, “Green Book – Um guia para a vida”, “Assim nasce uma estrela” e “Vice”.

“Assim nasce uma estrela” segue com oito nomeações e embora assinale a estreia de Bradley Cooper na realização, falha o prémio nesta categoria.

Com sete nomeações está “Black Panther”, de Ryan Coogler, o primeiro filme de super-heróis da Marvel a ser nomeado para melhor filme.

Os nomeados foram anunciados hoje pelo actor paquistanês Kumail Nanjiani e pela atriz norte-americana Tracee Ellis Ross.

A cerimónia está marcada para 24 de Fevereiro, em Los Angeles, Califórnia, e a academia ainda não revelou se terá ou não apresentador.

A academia chegou a anunciar a escolha de Kevin Hart como apresentador dos Óscares, mas o actor acabou por renunciar depois de ter sido confrontado com afirmações homofóbicas, feitas há sete anos, consideradas ofensivas pela comunidade homossexual.

Partilhe esta notícia

Artigos relacionados