Cinco Mortos no 1º de Agosto e TP Mazembe (actualização)

Cinco pessoas morreram e sete ficaram feridas, sem gravidade, após o jogo de sábado entre o 1.º de Agosto (Angola) e o TP Mazembe (RD Congo), em Luanda

FONTE:

NNH

AUTOR:

1º de Agosto e TP Mazembe

Cinco pessoas morreram e sete ficaram feridas, sem gravidade, após o jogo de sábado entre o 1.º de Agosto (Angola) e o TP Mazembe (RD Congo), em Luanda, indicou um comunicado oficial, emitido este domingo.

No documento, o Ministério da Juventude e Desportos angolano refere que o “fatídico incidente” ocorreu após o jogo (0-0), da Liga dos Campeões Africanos, quando os adeptos abandonavam o recinto à pressa, criando “desorientação” já fora da zona de vedação do Estádio 11 de Novembro.

Adiantando que vai abrir um inquérito para averiguar as circunstâncias do incidente, o Ministério da Juventude e Desportos angolano salienta que entre as vítimas mortais estão duas crianças de 10 e 12 anos e que três dos mortos pertencem à mesma família.

As sete pessoas feridas já tiveram alta, acrescenta-se na nota de imprensa do Governo angolano, que “lamenta” as mortes.
O Estádio 11 de Novembro, em Luanda, registou sábado uma enchente, lotando quase a capacidade de 50 mil espetadores.

Por seu lado, o 1.º de Agosto, tricampeão angolano, indicou hoje de manhã que, após o jogo de sábado, ocorrera um incidente no perímetro exterior do Estádio 11 de Novembro, com a morte de “alguns cidadãos”, adiantando que os “órgãos competentes” deram início a uma investigação e que seriam, depois, divulgados mais pormenores.

A Angop já relatara anteriormente que um jovem fora evacuado para uma das unidades hospitalares e pelo menos oito adeptos detidos pela Polícia Nacional foi o resultado do jogo de empate nulo do 1º de Agosto e TP Mazembe, da RDC, referente à primeira “mão” dos quartos-de-final da Liga dos Clubes Campeões Africanos de futebol, disputado este sábado, no Estádio 11 de Novembro, em Luanda.

Segundo o corpo de bombeiros destacados no local, um cidadão, supostamente em estado de embriagues, caiu no primeiro anel das bancadas.  Embora transportado para o hospital, o estado do acidentado não era de gravidade, garantiram as mesmas fontes à Angop, no local.
Já as detenções resultaram de entradas no recinto de jogo (relvado), antes do início do desafio, em que alguns sacudiam as redes das balizas, obrigando pronta intervenção do pessoal de segurança e efectivos da Polícia Nacional, para os retirarem e conduzirem aos respectivos sectores na parte exterior do estádio.

Sobre os insurrectos, visivelmente o “ponta pé de saída” foi dado por adeptos dos caseiros, seguindo-se os visitantes, que certamente foram incapazes de conter as emoções do futebol, talvez pelo carisma das equipas envolvidas no embate, no caso o 1º de Agosto e o TP Mazembe.

Após os incidentes, os artistas da bola entram em campo, para o gáudio e aplausos por parte da assistência. Assim, trajados predominantemente com as cores vermelho e preto (1º de Agosto), branco e preto (Mazembe), apenas os cânticos e apupos se fazia ouvir.

Mesmo em minoria, situados num dos lados das bancadas, os adeptos congoleses não se coibiam de puxar pela sua equipa, que era contrariada fortemente pelo dos seus opositores.

Assim era a festa do desporto rei, em que os “súbditos” incentivavam os seus herói e artistas no palco, correspondendo com acções na procura do tento, que tardava a surgir.

Desta, mesmo depois do cumprido tempo regulamentar, antecedido de mexidas em ambos os planteis, que também foi motivo de aplausos e ovações, a saída processasse com normalidade e os festejos prosseguem fora do estádio.

Já nos arredores, era visível um enorme engarrafamento, com carros empilhados de adeptos, fazendo acompanhar de bandeiras e instrumentos sonoros, em cortejos pelas estradas que circundam o estádio e zonas adjacentes.

Uma autêntica azáfama e festa que o desporto pode proporcionar em paz e harmonia entre claques de emblemas diferentes.
Os intervenientes não se poderão queixar da falta de incentivo e apoio, apenas careceu as “vitaminas” do jogo, que são os golos.

Após afastar o Platinum do Zimbabwe e o Bidvest Wist da África do Sul, nas preliminares, a formação afecta às Forças Armadas Angolanas regressou à fase de grupos 21 anos depois.

Os “Agostinos” calharam no grupo D, onde terminaram em segundo, com nove pontos, menos três do líder Etoil du Sahel da Tunísia. Venceram duas vezes, empataram três e perderam uma. Nesta série constavam ainda o Zesco United da Zâmbia e o Mbabane Swallows da eSwatini (ex-Swazilândia).

Já o TP Mazembe passeou classe no grupo B, onde ficou em primeiro, com 12 pontos, fruto de três vitórias, três empates e nenhuma derrota. No segundo lugar posicionou-se o Etente Sétif da Argélia, com oito. No grupo incluíam-se igualmente o  El Jadida de Marrocos e o Mouloudia, também da Argélia.

A segunda “mão” acontece no dia 21 deste mês, em Lubumbashi, RDC.

 

Partilhe esta notícia

Artigos relacionados