Economia desacelera desde 2009, conclui o INE

O produto interno descaiu entre 2009 e 2017 e também as remunerações, a poupança, o financiamento e o investimento

FONTE:

NNH

AUTOR:

INE_-Luanda-1

A economia nacional desacelera desde 2009, que é precisamente o ano que marca o início do período al longo do qual as últimas contas nacionais são apresentadas pelo Instituo Nacional de Estatística (INE) – 2009-2017.

O crescimento real do produto interno atingiu um pico em 2012 (8,54%) para decair para menos 2,58% em 2016 e menos 0,15% no último ano. “De 2013 a 2015 constatou-se uma desaceleração do crescimento económico de 4,95%, 4,82% e 0,94%, respectivamente, tendo caído para terreno negativo em 2016 e 2017 respectivamente, com -2,58% e -0,15%”, assinala o INE em nota de imprensa.

Quanto à composição do PIB em 2017, continua a destacar-se a Extracção e Refinação de Petróleo Bruto e Gás Natural correspondente à 20,93%, o Comércio com 17,91%, a Construção com 13,65% e Outros Serviços com 9,27%. Assim, a volatilidade dos preços do crude e a diminuição da produção petrolífera (parece que agora em fase de recuperação) continuam a afectar severamente a economia.

Há outros factos a destacar na evolução das contas nacionais:

REMUNERAÇÕES

O peso das Remunerações no PIB teve tendência decrescente, com maior percentagem em 2009 com de 28,71%.

POUPANÇA

O peso da Poupança Bruta no PIB registou tendência crescente até 2011, período em que registou a maior percentagem com 37,9%, diminuindo a sua participação a partir de 2012.

CAPACIDADE DE FINANCIAMENTO

Teve tendência crescente entre 2010 e 2012, decrescendo em 2013 e 2014 para 5,86% e 2,31%, respectivamente havendo necessidade de financiamento em 2015, 2016 e 2017.

A TAXA DE INVESTIMENTO, EM RELAÇÃO AO PIB

Observou uma diminuição de 2009 a 2013, seguida de um ligeiro aumento em 2014 e 2015, voltando a diminuir em 2016 e 2017. No período em referência, o investimento registou maior taxa em 2009.

Partilhe esta notícia

Artigos relacionados